Nó na garganta

A ignorância é uma benção.

Quando eu não sabia que era capaz de ser mais feliz e realizada, a vida seguia sem grandes sobressaltos. Tinha momentos de tristeza, é verdade, mas a resignação de ser uma pessoa “normal” sempre sobrepunha qualquer ímpeto de mudança.

A vida era boa.

De repente, a vida começou a parecer cinza, os dias já não eram como antes e eu passei a me sentir minguada. Sim, passei a me sentir, porque as pessoas mais próximas já viam e sentiam antes de mim. Sou transparente, quase impossível não me decifrar.

Senti um nó na garganta e consegui me libertar.

Não foi um processo fácil, mas a partir daí, enxerguei a força que havia dentro de mim e que gritava não apenas por liberdade, mas por uma VIDA PLENA.

E a vida plena despontou quando me esvaziei de tudo e me enchi de mim.

Quando não liguei mais para a opinião alheia, quando os julgamentos passaram a me incomodar menos.

Quando “louca” soou como elogio e não mais como xingamento.

Quando provei o gostinho de ser simplesmente EU.

Isenta de interferências ou influências externas.

As viagens sozinha vieram atestar a capacidade de gerenciar minha própria vida.

Por vários meses eu sabia exatamente o que queria, estava determinada a ter uma vida incrível.

Me enchi de conteúdo de autoconhecimento e psicologia, tudo parecia extremamente claro e eu me sentia no caminho da luz.

Eu era sensacional e enchia o peito de orgulho pra falar de mim.

Ok. Estou pronta. Encontrei um relacionamento que parecia bom, no qual parceria era a palavra de ordem e eu estava amando todo esse mundo novo, onde o segredo da atração de dias lindos e felizes, um após o outro funcionava plenamente.

Até que comecei a me perder de mim. Em pequenas práticas cotidianas passei a deixar de lado o meu querer e me perder no mundo novo: a vida do outro.

Nunca fui forçada a nada, mas passei a me perder lentamente tentando ser a parceira ideal, a companheira pra tudo, aquela que: “Vamos? Vamos!”

Nesse meio tempo muitas coisas aconteceram comigo, problemas de família, amizades que se afastaram quando eu mais precisei. E fui me perdendo novamente na pessoa que estava mais próxima, me misturando com o mundo novo, bonito e colorido que estava ali. Só esqueci que não era o meu mundo. Não eram as minhas cores, eu estava sendo moldada sem me dar conta e por um momento parei.

Parei pra refletir sobre mim, sobre o quanto eu estava confusa e triste comigo, sobre como a vida parecia do avesso e os planos antes tão claros haviam perdido o sentido.

Me olhei no espelho e encontrei milhares de defeitos que precisavam ser corrigidos. Eu já não era boa o bastante pra ele, nem pra mim, nem pra ninguém.

O nó na garganta estava de volta.

Mas e agora, o que fazer? Nunca poderei me relacionar com ninguém? Não faz sentido me isolar. Preciso aprender a lidar com isso. Cicatrizar a ferida e saber me exercer estando com outra pessoa.

Um novo momento de transformação.

Reiniciar conteúdos de autoconhecimento, cursos online, palestras, terapia, preciso me encontrar novamente. O que fazer?

Reinicia o ciclo. Será um sem-fim?

Adeus Ano Velho

30 de dezembro de 2016: Última sexta-feira do ano.

Hashtag nostalgia.

 

Mais um ano chegando ao fim, algumas metas cumpridas, outras adiadas, novas elaboradas para o ano que inicia. É o ciclo. Eu sou dessas que fecham balanços anuais, já devo ter mencionado isso por aqui, talvez por vício da profissão.

 

Esse ano foi um dos mais INTENSOS da minha vida, sem sombra de dúvidas.

Passei o último ano novo num vôo retornando da Argentina, estava realmente decidida a fazer da minha vida nada menos que FELIZ – e viajar é uma das coisas que mais me traz alegria.

Voltei da Tierra del Fuego, de Ushuaia, do Fim do Mundo, para um novo mundo, uma nova vida, essa era a ideia desde o início.

 

No início do ano matei a saudade da família e de amigos especiais (porque quando a gente viaja volta cheinho de saudades e vontade de aproveitar cada minuto ao lado de quem ama, compartilhando um pouco de todas as aventuras e histórias) e comecei a esboçar como seria o meu 2016: cheio de amor, paz, saúde, sorrisos e bons momentos.

O objetivo maior era aproveitar cada dia, todos os momentos e jamais perder a oportunidade de viajar, a qualquer lugar. Talvez devido a estar tão obcecada por VIAJAR, comecei a namorar a 245km de distância – o que facilitou estar na estrada todos os meses do ano. 😀

Lugares que conheci esse ano em ordem cronológica (porque eu sou organizada #sqn) :p

  • Barra Velha-SC: praia muito próxima da minha casa, mas que não conhecia.
  • São João do Oeste-SC: PedacINHO da Alemanha no Brasil.
  • Morretes-PR: Melhor barreado e balas de banana do país.
  • Gramado-RS: linda cidade que apesar de ser gaúcha como eu, nunca tinha visitado.
  • Campo Alegre-SC: a terra da ovelha, onde conheci super companheiros de viagem.
  • Dublin, Irlanda: início das férias na incrível Ilha Esmeralda.
  • Amsterdã, Holanda: meu lugar favorito no mundo, até agora.
  • Berlim e Dresden, na Alemanha: certa decepçãozinha e uma surpresa boa, respectivamente.
  • Praga, na República Tcheca: lindamente barata pra comer e beber à vontade.
  • Ipatinga-MG: viagem com o nobre motivo de enlace matrimonial de amigos.

 

P.S.: Falta escrever sobre vários lugares da Eurotrip aqui, mas quero fazer da melhor forma: com calma.

 

Nesse ano também hospedei e compartilhei histórias com 4 pessoas da comunidade Couchsurfing (sobre a qual já comentei aqui);  Descobri que viajar com mais gente também pode ser super divertido; Tive a aventura mais radical da minha vida (até agora): Salto de bungee jump; Assisti aos shows do Suricato, Rosa de Saron e Guns n’ Roses; Caminhei 217km e pedalei 1.128 km em 80 pedais gravados, sendo que o maior desafio ultrapassado foi um pedal em grupo no qual consegui percorrer 71km descendo a serra (fonte: Strava kkk).

Mas nem só de coisas boas foi o ano: passei por problemas familiares sérios, tive crises de identidade, quis ficar chorando e “abandonar tudo”, houve momentos muito difíceis em que só conseguia enxergar problemas e não soluções. Me mantive sã graças às pessoas que estiveram comigo e me apoiaram, foi também um ano de resgate de forças.

 

A apuração do resultado, enfim, é positiva.

O ano de 2016 vai ficar marcado na memória pra sempre.

 

Incrível como o que definimos internamente, lá no âmago, nos impulsiona a conquistar o que desejamos de uma forma fluida. Simplesmente flui.

Por mais que eu tenha me descabelado de nervos e/ou ansiedade em vários momentos, chego ao fim do ano com a sensação de dever cumprido, de ter feito a minha parte da melhor forma possível, de consciência tranquila.

 

Obrigada por tudo, 2016.

2017, estou pronta!

 

2016

 

Feliz Ano Novo a todos!

 

 

Instagram: SdeViagens

Facebook: Sonhos de Viagens

 

 

Fotos de viagens

Como por aqui o armazenamento é limitado e o carregamento lento, optei por abrir uma conta no Instagram para publicar as fotos dos relatos de viagens compartilhados no blog.

Pra quem AMA fotos de viagens assim como eu, dá uma espiada e se gostar me segue lá:

Instagram.com/sdeviagens

 

Beijossss :*

Por que Amsterdã é um destino incrível?

Pra começar, dá uma espiada na minha escalada em Amsterdã :p

Se eu tivesse que escolher o lugar mais legal visitado na minha primeira viagem à Europa, afirmaria, sem dúvida: AMSTERDÃ.

Sobram motivos para amar essa cidade:

Sustentabilidade

A cidade é a capital mundial das bicicletas: em números absolutos, há mais unidades delas do que habitantes. Não é preciso ser muito imaginativo para entender que o impacto na qualidade de vida das pessoas é enorme, pois a maioria da população vai ao trabalho, às compras e a um dia livre no parque com esse transporte.

Além disso, há diversos pontos para recarga de carros elétricos espalhados pela cidade, ou seja, é perfeitamente viável optar por um veículo automotor com baixo impacto ambiental.

Outra situação incrível é como a logística reversa funciona no caso de embalagens recicláveis. Ao comprar um litro ou lata de cerveja, refrigerante ou água, por exemplo, é cobrada uma tarifa de 25 centavos de euro por cada embalagem. Após consumir, você devolve a embalagem a uma máquina como essa: máquina de reciclagem e recebe um ticket com o retorno do crédito, que pode ser usado em compras ou trocado por dinheiro.

 

Riqueza cultural

A cidade abriga diversos personagens e episódios históricos, por isso sedia famosos museus como o Anne Frank House, o Van Gogh Museum e o Rijksmuseum. Particularmente consegui ir apenas no Anne Frank House pois era um dos meus “destinos imperdíveis” em Amsterdã, mas conversei com outras pessoas que visitaram o Van Gogh e o Rijksmuseum que garantiram ter conteúdos ótimos também. Existem vários outros museus, mas se você não é um grande admirador deles, os três principais que devem ser visitados são esses.

Há passeios nos arredores da cidade através de agências contratadas por lá mesmo: No meu caso, com um simpático atendente que falava português de Portugal fluentemente (tem várias agências espalhadas pelo centro). Foi possível conhecer em um dia os tradicionais moinhos de vento, a fábrica de tamancos e a fábrica de queijo com direito a degustação. É preferível fazer esses passeios em dias sem chuva, pois é preciso caminhar ao ar livre em vários trechos.

O tradicional parque das flores com campos lindamente intermináveis de tulipas ficou pra uma próxima ida à Holanda, pois geralmente abre na primavera – de março a maio e foi impossível contemplar essa beleza em agosto, época em que estive por lá.

 

Gastronomia

A comida fora do nosso país sempre pode causar estranheza. Culturalmente os europeus não almoçam comida como a gente, com aquele lindo e longo intervalo de 1 a 2 horas pro almoço. Geralmente são lanches rápidos estilo fast food e o jantar ou refeições nos finais de semana é que ficam mais caprichados.

Porém, os waffles de diversos e deliciosos sabores, juntamente com os tradicionais queijos artesanais, sorvetes, tortas e outras gordices das docerias não deixaram a desejar. Em geral comi besteira e bebi cerveja durante toda a estadia, mas o blog Duc’s Amsterdã lista algumas opções bem legais de restaurantes neste link.

A Heinnekken Experience é um passeio bem turístico e tradicional em Amsterdã em que se pode conhecer como funciona o processo de fabricação da cerveja, praticamente um museu interativo com direito a degustação no fim do passeio. Se você é cervejeiro o passeio é imperdível e mesmo se não for um grande admirador do precioso líquido o passeio vale a pena pois é divertido.

 

Respeito e diversidade

Amsterdã é conhecida por seu boêmio bairro Red Light District e Coffee Shops que convivem em meio à cidade sem marginalização aparente.  A prostituição e o uso de cannabis são tolerados na cidade, o que incrivelmente não significa bagunça, desordem e libertinagem à vontade.

O uso de cannabis na Holanda é permitido desde os anos 70 amparado por regras específicas com o objetivo de facilitar o combate ao tráfico, ao crime organizado e consequentemente à violência.

É possível fumar nas ruas e portar no máximo 5 gramas da substância, sendo que o único lugar onde você pode comprar é dentro de um Coffee Shop (e se você for maior de 18 anos).

Por ser uma característica ímpar da cidade, é claro que o comércio local é fomentado pelos derivados de cannabis para turistas. Ficam à venda nas prateleiras dos mercados bolinhos, biscoitos, licores e outros derivados de cannabis, porém sem THC – a substância psicoativa da droga.

O comércio fecha cedo e após a meia noite você não encontra tantas pessoas nas ruas nem estabelecimentos abertos.

As janelas onde as moças se exibem pelas ruas do Red Light District abrem por volta das 11 A.M e fecham no máximo umas 3 A.M, ou seja, é possível visitar as ruas onde há mulheres nas vitrines durante o dia.

É importante ler sobre a cidade e se informar para não desrespeitar as regras locais. É proibido, por exemplo, tirar fotos nas ruas onde há exibições de mulheres, por motivos óbvios: tanto em respeito pelas pessoas que estão se apresentando quando pelas que estão assistindo. Guarde tudo na sua memória e relate aos seus amigos para que confiram pessoalmente.

 

E aí, concorda que Amsterdã é um lugar pra conhecer SIM ou COM CERTEZA?

 

Se você já foi ou deseja ir, vou adorar ler seus comentários 😉

 

Até a próxima viagem!

Experiências determinam seus resultados

O gatilho das mudanças na minha vida foi começar a dizer ‘não’ para coisas, pessoas e situações em que eu estava me sentindo mal. Pra mim era uma dificuldade imensa comunicar que eu estava desconfortável com qualquer coisa sem me sentir culpada.

Pode parecer estranho para algumas pessoas, mas era exatamente isso que acontecia comigo: Eu não sabia dizer ‘não’ e vivia num círculo vicioso e minúsculo resumido a fazer coisas em benefício dos outros e nada pra mim.

Enquanto estive no meu círculo confortável fazendo coisas pra ficar bem com todos exceto comigo, nada novo acontecia, nada mudava.
Sabe caminhar na esteira? Era como eu me sentia: andava, cansava e não saía do lugar.

A partir de pequenas mudanças, pequenos ‘nãos’, tudo começou a fluir.

Eu passei a relembrar a importância de saber onde a gente quer estar, mentalizar a vida que queremos, materializar nossos desejos e sonhos.

Passei a me cercar de informações sobre como viver uma vida plena e de equilíbrio, como viver de uma forma que me sentisse realizada, sem mais coitadismo, me livrando da carga negativa de conformismo que eu tinha… E tudo começou a mudar.

A forma como você pensa determina suas ações e suas ações determinam os seus resultados.
Se quiser ter resultados extraordinários na sua vida, você terá que agir de forma extraordinária e isso depende de como você pensa.
E o que determina o que você pensa?
As suas experiências.

Percebe como se funciona a ligação entre cada etapa?
Experiências > pensamentos > ações > resultados.

Por isso sair da sua zona de conforto, conhecer novos lugares e ter experiências diferentes faz com que nossa mente se abra de uma tal forma que conseguimos enxergar além do óbvio.

Quer resultados diferentes?

Saia da caixa, vá viajar, se presenteie com um tempo só pra você, pra se entender, pra resgatar o seu Eu.

Quanto mais experiências você tiver, mais aberta e receptiva a mudanças a sua mente estará. Quanto mais você aprende sobre coisas novas, mais você entende o quão ignorante é, e mais aumenta a sua sede de conhecimento e capacidade de aprendizado.
Beijão e até a próxima!

;*

Notícias

Há tempos não escrevo aqui por conta das minhas férias que foram em agosto.

Meu plano era escrever enquanto ia passando pelos lugares, mas vocês podem imaginar o quanto isso foi impossível bebendo ALGUMAS cervejas todos os dias. haha

Postei uma ou duas fotinhos na página do Facebook  e só (a propósito, me curtam lá! 😉  )

Quis tirar o máximo de proveito de cada momento pra poder  vir contar tudinho aqui nas próximas semanas.

Passei pela Irlanda, Holanda, Alemanha e República Tcheca, conhecendo, comendo e principalmente bebendo, uma verdadeira #beertrip como detalharei logo logo.

Já estou de volta ao trabalho e por conta disso talvez demore um pouco pra atualizar a página, mas vi tanta coisa incrível que será um grande prazer compartilhar com vocês.

 

Um grande abraço e um beijo no coração de cada um, que o mês de setembro seja incrível para todos nós.

 

#gratidão

 

26 lugares esplendorosos que o tempo vai destruir

Por Volta ao mundo

Não pensamos que um dia a muralha da China possa vir a desaparecer, ou que as pirâmides do Egito venham a ceder. Mas a verdade é que tudo isto vai acontecer. Popularmente diz-se que o tempo cura tudo, mas o tempo é também devastador e corrói obras criadas tanto pela natureza como pelo homem.

Ver o post original 225 mais palavras

A vida é o que fazemos dela

A vida é o que fazemos dela.

As viagens são os viajantes.

O que vemos não é o que vemos, senão o que somos.

– Fernando Pessoa

Já ouvi algumas opiniões sobre vários lugares do mundo.

Algumas pessoas falam sobre seus destinos com paixão,  outras com desprezo,  cada uma embasada na experiência que teve, com todas as suas razões e sentimentos.

Inúmeras vezes já discordei dessas opiniões,  especialmente das negativas. Na minha cabeça não cabia o fato de que alguém pudesse, por exemplo, achar o Valle Nevado no outono (sem neve) um lugar horrível.

Tenho aprendido a ter um outro olhar sobre essas opiniões: são apenas o nosso reflexo, adicionadas das nossas cargas emocionais negativas ou positivas.

A gente tem o dom de transmitir onde quer que vá um pouco do que é nosso, da nossa essência, e transformar a nossa experiência no que decidirmos para aquele momento.

Há quem ame e quem odeie um mesmo lugar, um mesmo estilo de viagem, um mesmo meio de transporte…

A vida é o que fazemos dela.

De certa forma a maneira como estamos ao chegar ao nosso destino pode ajudar a definir se a nossa experiência será boa ou ruim.

Se viajar é dar um reset na alma, que estejamos prontos para IR, apenas.

Deixar o destino nos surpreender, aceitar os bons momentos com alegria e os perrengues serem ótimas histórias pra se contar aos nossos netos (pra quem quiser, como eu, tê-los).

P.S.: Na foto,  o Valle Nevado sem neve, um dos dias em que eu me senti tão feliz como nem sabia que poderia.

Contagem regressiva

Faltam 10 dias pra minha próxima aventura. ADORO.

Na primeira sexta feira de agosto embarco rumo à realização de mais um sonho. Esse é dos grandes.

Na realidade nunca pensei em algo desse tamanho antes, mas vários acontecimentos na minha vida me fizeram sonhar mais alto e embarcar nessa loucura de viagem.

Será a primeira vez de tudo: primeira vez que tiro férias tão longas (23 dias!), que viajo pra fora do país com mais pessoas, primeira viagem fora do continente, primeira vez sem saber ao menos enrolar a língua nativa (minha zona de conforto é o portunhol argentina-chile rsrs), mas vamos lá!

Estou TRANSBORDANDO de ansiedade e felicidade. Gostaria que felicidade viesse primeiro, mas a real é que estou quase tendo um colapso nervoso, por isso escrevo aqui buscando acalmar meus pensamentos e colocar as idéias em perspectiva.

Acabei de descobrir que existe um termo técnico pra esse stress e ansiedade que antecedem a viagem: TPV – Tensão pré-viagem no blog Conto em Milhas. O negócio é tão sério que tem até graus de TPV e agravantes especialmente em mulheres, se acumulados com TPM  hahahahha.

Ainda bem que nessa maravilha de internet existem dicas e soluções pra quase tudo. A maioria das pessoas concordam que pra driblar a TPV o melhor caminho ainda é trabalhar na pré viagem com os check-lists e pesquisas sobre o(s) destino(s).

Teoricamente, ter o plano de viagem sob controle e saber o máximo possível sobre o roteiro deve te ajudar a ficar mais relax até que o GRANDE DIA chegue.

Gostei demais de uma lista detalhada de pré-viagem da Viajanderia: já imprimi e vou colocar tudinho em prática.  😀

No blog Vestindo a Alma li uma preciosidade que tem tudo a ver com minha linha de pensamento: temos que curtir a pré viagem sem esquecer do momento presente, o próprio nome já diz PRESENTE é o nosso dia HOJE, é ele que temos que vivenciar e aproveitar, tentar se concentrar no que precisa ser feito AGORA.

Vamos combinar que na teoria tudo é bem mais fácil né?!

Mas bora lá controlar essa ansiedade e curtir os últimos dias pré-embarque.

 

 

p.s.1: Vou contar tudinho sobre a viagem aqui e na página do facebook. 🙂

p.s.2: Se alguém tiver mais dicas pra controlar a TPV, manda aí, NECESSITO. hahaha

 

 

 

Viajar com os amigos

Hoje, 20 de julho, é comemorado o Dia do Amigo.

É impossível um AMIGO de verdade ser lembrado apenas no dia do amigo, como também é difícil manter uma amizade de longa data sem regar a sementinha do carinho e companheirismo constantemente.

Na loucura que vivemos hoje, tantos compromissos, reuniões, tanta pressão pra realizar várias coisas ao mesmo tempo, os amigos acabam se encontrando menos face-a-face, nos resta o meio digital pra manter contato com aquelas pessoas tão queridas que nos acompanham nas loucuras, tristezas e vitórias. Acho válido, embora não substitua aquele abraço gostoso ou aquelas risadas largas e deliciosas.

Assim como o dia das mães, dos pais ou das mulheres, o dia do amigo é todos  os dias, não é mesmo?

Mas, já que separamos um dia pra comemorar especialmente essa data, que tal sair da rotina e reunir seus amigos hoje? Se não for possível, ligue pra alguns deles e diga o quanto são especiais – ligações são tão raras hoje – tenho certeza que eles vão amar e você mais ainda!

Quem sabe não surge aí uma oportunidade de vocês finalmente conciliarem suas agendas e marcarem aquela viagem juntos. 😉

Compartilho uma matéria do Catraca Livre sobre viajar com os amigos que me fez sorrir, afinal, com eles do lado você cria coragem e topa quase tudo, não é?

Clique aqui pra ler a matéria: 5 motivos pra viajar com os amigos

P.S.: A foto é de uma amiga que fiz em viagem e confesso que foi muito mais divertido quando estivemos juntas.

Beijos e até a próxima!